domingo, 15 de junho de 2008

Uma criança adotiva

Fui uma criança adotiva muito mimada, tão mimada que às vezes penso que eles me estragaram, pois sou um pessoa extremamente medrosa para assumir ou mesmo tomar decisões. Tenho discernimento das coisas, sim; mas me falta a coragem.Pois bem, retornando ao assunto anterior... mesmo na simplicidade fui a agraciada com muito amor mesmo...Criada rodeada de primos e primas ,eu jamais me senti só, era simplesmente feliz.Amei cada pedacinho da minha infância, recebi carinhos e cuidados extremosos por parte de meus pais adotivos.Mesmo com tanto problemas que eles tinha, pois tinha um filho que enlouquecera muito jovem, eles encontraram tempo para cuidar de mim... tudo isso, por causa de um pedido feito por minha mãe quando estava morrendo!É por isso que eu acredito que apesar de termos o livre arbítrio, há também uma coisa chamada destino: que nos empurra para aquele rumo e depois tudo fica por nossa conta. Por que fui entregue para eles, quando tinha avó, tios e tudo mais? Porque ser entregue para o irmão da avó e não para ela? Destino, apenas isso...Nunca encontrei tempo ou ocasião para agradecer,mas hoje... sem saber onde eles estão, em que lugar deste imenso universo paralelo eles possam estar, quero agradecê-los por ter me deixado fazer parte da vida deles.Estou tentando ser uma pessoa melhor: amiga ,compreensiva como exemplo do que eles deixaram para mim.

Os anjos

Os anjos para mim, existem e sempre vão existir.Pois encontro-os todos os dias...nas esquinas dessa vida...Estão lá, quando você perde os amigos, as esperanças...São eles que chegam até nós nos piores momentos e quando os outros se afastam...São aqueles seres iluminados que você não vê a sua áurea, mas sente a sua bondade e sente se melhor ainda ao olhar para eles...eles, algumas vezes te estendem a mão e você não estende a tua...eles, falam contigo e você não compreende... São aqueles que fazem enormes sacrifícios em benefícios dos outros... são aqueles que te dão a impressão de ter ganhado o dia!.

Discernir

A palavra que veio até a mim hoje foi discernimento.Descobri que algumas pessoas, mesmo beirando aos trinta anos, não conseguem ter nenhum discernimento!
Lembro que quando era criança, minha mãe adotiva partia a laranja e me dava a metade... mais tarde eu aprendi a descascá-las, mas sempre errava o corte! Eu não conseguia entender como minha mãe nunca errava! Um dia descobri que a laranja tem um fundinho,que eu chamava de bundinha e ela que me ajudava a dividir a laranja da maneira certa! Pra mim, descobrir isso representou uma grande descoberta.E entendi porque minha mãe não me ensinou isso, foi porque ela achava que eu tinha que descobrir as coisas por mim mesma!

Mary Balogh: Someone to Hold (Camille e Joel) Spoiler

Someone to Hold  (Alguém para Abraçar*) -  Mary Balogh My rating: 4 /5  Agora nos deparamos com história de Camille, a mais v...