sábado, 31 de maio de 2008

As dores que devemos carregar conosco

Penso que todos nós, não importa a cor,o sexo, a idade; mas, todos sem exceção, devemos carregar a própria cruz ou destino ou o que quer que isso seja.Colhemos, sem exceção, aquilo que plantamos. Colhe-se frutos bons ou ruins dependendo da terra ou do caminho onde plantamos nossas sementes.
Lamentamos muitas vezes, algumas coisas que acontecem conosco, sempre culpando alguém, sem percebermos que foram nossas atitudes que nos levaram a determinada situação! Se meu cartão de crédito estourou, afinal de quem é a culpa? Se meus débitos aumentam não foi por acaso, (euzinha) a culpada de arranjá-los e quem os controlo? Se as filhas exigem de mim, não fui eu que deixei pensar que podiam tudo!
Então, o que nos resta , senão aceitar isso e carregarmos nossa cruz nas costas e assim tentarmos e ser felizes...

Presentes

Há alguns dias lendo uma crônica de Artur da Távola, veio em mim a lembrança feliz de infância, um lembrança cheia de formas e sabores, uma lembrança guardada em uma lata de biscoitos, doces , gostosos e inesquecíveis. Este estavam encerrados em uma linda lata de flandres colorida no formato de uma maleta. Esta lembrança foi me dada com carinho pela minha madrinha de batismo, pessoa lembrada por mim e guardada nos recantos de minha memória infantil. Se não agradeci, na época como devia. Agradeço hoje a eterna lembrança e alegria de um momento delicioso e singelo de minha vida.

domingo, 25 de maio de 2008

O conhecimento

Trabalhei por vários anos em um restaurante como nutricionista responsável por ele. Foram anos de stress e aprendizagem. Muitas coisas que sei hoje, foi graças a uma pessoa que trabalhava lá: a cozinheira. Eu não tinha experiência nenhuma, nem em comando, nem em comida e orçamentos. Para quem é tímido, isso é um desconto de pecado!
Eu sabia atribuir todas as quantidades, mas em alguns preparo eu era totalmente leiga! A Alice, apesar de rabugenta e difícil de lidar, foi muito importante para mim. Me deu apoio. Fizemos muitos jantares juntas, passamos muitas noites em claros, super cansadas e entrando numa festa em outra. Era uma trabalheira só! Acredito que ela também aprendeu muito comigo! Pois, gostávamos de preparar novos pratos. E sempre tinha um toque meu ou dela que no final dava tudo certo. Houve uma vez que nos fizemos um jantar, cujo orçamento foi orçado em 500 pessoas, só que apareceram 750 pessoas. O presidente da associação na qual trabalhava chegou umas 3 vezes (já apavorado) para nós se tinha comida e nós garantimos que tinha. Só tivemos de improvisar mais salada verde, foi uma loucura!
Esse número se torna mentiroso porque nós sabíamos a quantidade de pessoas através do número de pratos e como as pessoas, sem consciência, gostavam de repetir, dá pra ver o quanto isso é aproximado.....

Coisas de menino

Quando eu era criança gostava de banhar na chuva junto com meus primos e para nós tudo era uma festa!Brincávamos com águas paradas mexendo nas cabeças-de-prego que nasciam nelas e que só alguns anos atrás viemos descobrir que são larvas de dengue!Não sei como não adoecíamos!...Nossos tios vinham do interior e traziam para nós raspas de buriti, tucum verde, uma delícia!,ovos de codornas, centenas deles.Vinham com seus jacás cheios de cheiros e vida. E eu menina nem aí para vida...Brincávamos de rodas, guerras-guerrou, amarelinhas e muitos outros jogos de crianças.Apelidos ganhávamos com qualquer atitude que tinhamos, tinha um colega, que me pôs dois: Formiga atômica-desenho animado da época e mosquito elétrico, eu detestava pois, para quem é tímido , o pior que se faz é chamar atenção para sí.Quando eu chegava na sala de aula, lá se vinha ele,me chamando alto em bom som por um deles!Na minha adolescência tive várias paixões, coisas de menina.Adorava ler, coisa que trago em mim até hoje: o prazer de uma boa leitura.Li CAZUZA, de Viriato correia , escritor maranhense pelo qual tenha grande apreço- este livro contas histórias infantis do menino Cazuza.Depois li PAPAI PERNILONGO, de Jean Baster,um clássico de uma paixão adolescente, adorável!!!

terça-feira, 20 de maio de 2008

As avós nos tempos modernos

Este texto foi retirado de um documentário da BBC Londres - e traduzido por mim: "Todo ano os colabores mundiais da BBC com suas estações de rádio fazem uma série de documentários sobre assuntos de interesse e importância internacional.Cada estação parceira contribui com um documentário que dar ao lugar interpretação local na escolha do tema e neste ano a escolha do tema é A Fuga.
O 4º programa é: Chame-me Nana. Este programa do Grupo de Radiodifusão Canadense, conta a história sobre o crescente numero de avós canadenses que criam seus netos(as) sem a presença dos pais. É um trabalho que nunca esperaram, uma sociedade que nunca queriam aderir. De acordo com o senso estatístico do Canadá realizado em 2007, há mais de 65 mil avós no Canadá criando crianças como suas. Eles são chamadas de geração de famílias incompletas.E seu número está crescendo em torno de 1000 por ano. A maioria dessas avós, mais de 2/3 são atualmente avós e avós-madrastas.São mulheres que viram sua vida de cabeça para baixo para criarem nesta fase tardia da vida. Elas fazem isso porque as crianças correm risco de ser - abandonadas ou negligenciados e são destinadas a tornarem-se guardas do estado. São suas histórias da luta real - física, emocional e financeira. Publicado em 11/04/2008.

domingo, 11 de maio de 2008

O senso ou bom senso de cada um

Vi outro dia uma pessoa criticando a rede de TV por mostrar Os Simpsons em horário diurno.Não sei quem tem ou não-senso, mas qualquer um pode ver que mesmo sendo um desenho animado, ele não é de jeito nenhum programa para crianças. Ele foi feito para adultos, visto que, a linguagem e o comportamento dos personagens são anti naturais. Houve outra emissora, que o colocava a meia-noite, esta, apesar de não ter um mínimo de respeito pelo telespectador (pois muda sempre o horário da programa e você nunca sabe o que vai encontrar na próxima semana!) se condizia com o horário adequado. Se v. olhar, os personagens são e agem loucamente e o próprio criador deles faz referência que as irmãs do Homer são lésbicas e mostram-nas fumando sempre! É ou não é, para adultos, um programa desses...!

quinta-feira, 8 de maio de 2008

Meu lado espiritualista

Eu acredito em tudo relacionado a espíritos. Às vezes penso que, todos nós temos o direito de saber onde foi que erramos. Muitas vezes nós pensamos que estamos agindo certo. Mas, se o certo que nós pensamos é o errado para alguém lá em cima.Sei que deve ter alguém que olha para nós e segue cada um dos nossos passos...Há poucos dias eu li o livro (Memórias de um Suicida) que faz um relato interessante. Lá ele fala que cada vez que agimos erradamente, quando morremos temos que reencarnarmos novamente até nosso espirito se arrepender e nos permitir alcançar a paz e a Graça de Deus. Pessoas que se suicidam, pensam que se livraram dos problemas, mas só acrescentam mais uma página de sofrimento à vida. Por isso devemos, sempre, rezar por eles, que às vezes retornam ao nosso convívio com defeitos, doenças terminais e muito sofrimento que não conseguimos entender por que elas passam por tudo isso. Há um mundo paralelo onde nós aprendemos que a vida jamais termina com a morte, se você for um boa pessoa terrena, fará parte dessa enriquecedora vida perespiritual. Se você tem dúvidas quanto a isso, é um direito seu. Mas, pense... porque muitas vezes temos a sensação de dejavu - àquela situação que é como se você já tivesse passado por aquilo antes?

O amor

Me apaixonei perdidamente quando tinha 17 anos, foi uma paixão inocente, mas que me marcou profundamente. Derramei mutias lágrimas por este amor, sofri humilhações só para me sentir próxima dele. Hoje passados tantos anos, não sei se este amor teria superado os obstáculos. A gente sempre pensa se fosse com fulano...minha vida teria sido diferente. Eu não sei.. Talvez eu não estivesse separada, talvez infeliz ou não. Quando o vejo, penso que ele é feliz com a esposa. Parece-me que é fiel.
Eu não recebi a fidelidade que eu queria! Eu não tive o companheirismo que queria ter tido no meu casamento! As promessas, essas ficaram, na porta da igreja. Talvez a culpa tenha sido minha... Talvez, por causa dos passos que nós damos, determinamos toda uma vida; só tenho uma certeza de uma coisa: de minha baixa estima e do medo terrível que eu tenho de sofrer!

Os cheiros

Há coisas que nos marcam muito! Quando eu era adolescente adorava o cheiro de um perfume da Coty , chamado Cool Spell, era um cheiro gostoso, não era doce, nem nada, apenas diferente. Agora mais velha adoro perfume masculino, principalmente o UDV- Ulric DE Variens, francês, uma delícia!Perfumes doces e frutais me repugnam. Das flores que conheço, ainda prefiro o cheiro de rosas, jasmim, erva-doce, etc. Aliás um banho com este último lhe deixa com sensação inebriante de limpeza da alma!

sábado, 3 de maio de 2008

Música

Há alguns anos atrás, ouvi a música A PRIMEIRA VEZ, de Roberto Carlos. Eu não sei o que acontece comigo, mas todas as vezes que eu a ouço tenho a estranha sensação de dejavu, como se eu me transportasse para um lugar especial, onde eu tivesse vivido e amado intensamente e portanto tivesse alcançado a suprema felicidade.
As cenas da música vão passando lentamente pela minha mente, tão realistas,tão cheias de emoção e prazer...Me sinto plena!

quinta-feira, 1 de maio de 2008

MINHA FILHAS

Se algo que eu não me arrependo foi de ser mãe. Minhas filhas trouxeram com elas as alegrias e ospercalços de ser mãe. Aprendi muito com elas, inclusive a repartir. Nunca escondi nada delas. Sempre falamos em casa de tudo.Se tomo uma decisão, decido com elas. Se critico-as, recebo críticas da mesma forma. Tentamos acertar sempre as nossas diferenças. Mas, pense numa complicação, quando estamos de TPM,é um Deus nos acuda.De vez em quando escuto"Um eu te amo, mamãe!".Sei que são sinceros pois eu retribuo da mesma forma.

A leitora que existe em mim

Eu adoro ler.Ler me envolve num mundo à parte. Gosto da sensação e do sentimento que um bom livro produz em meu ser.Os livros sempre fizeram parte de mim,aos 9anos, foi quando eu descobrir o poder da leitura.Como nunca tive dinheiro para viajar, viajo através deles!
Perdi a conta dos li que já li. Ouve uns que me impressionaram ,outros nem tanto. Eu li O Código da Vinci em dois dias, pois não conseguia largá-lo, achei ele rico em informações!Chorei pra danar ao Laços de Ferro e Um Ano Inesquecível.Sabrina,Júlia, Biancas e outras séries tiveram na minha estante um lugar especial.Machado de Assis me cativa com o estilo inconfundível dele!Quando li O Pequeno Príncipe,me emocionei e nunca esqueci do significado da palavras cativar, que ele deu a ela um rico significado:"TU SERÁS ETERNAMENTE RESPONSÁVEL PELO AQUILO QUE CATIVAS"

Mary Balogh: Someone to Hold (Camille e Joel) Spoiler

Someone to Hold  (Alguém para Abraçar*) -  Mary Balogh My rating: 4 /5  Agora nos deparamos com história de Camille, a mais v...